Offcanvas Section

You can publish whatever you want in the Offcanvas Section. It can be any module or particle.

By default, the available module positions are offcanvas-a and offcanvas-b but you can add as many module positions as you want from the Layout Manager.

You can also add the hidden-phone module class suffix to your modules so they do not appear in the Offcanvas Section when the site is loaded on a mobile device.

0044 889 555 432
office@delight.com
64184 Vincent Place

bonfim

A família do casal indígena Frank Alves Lourenço e Dolores Alves da Silva abriu as portas de sua casa, no Município de Bonfim, para recepcionar a deputada Joenia Wapichana (REDE-RR), na manhã desta terça-feira, 20, com uma programação cultural preparada por indígenas vivendo em contexto urbano.

No café da manhã, antes de os presentes conversarem com a deputada, um grupo de crianças e outro de mulheres indígenas fizeram apresentações de danças para mostrar o trabalho que eles vêm realizando no bairro Getúlio Vargas, visando valorizar as tradições culturais. Estava presente ainda o vice-prefeito de Bonfim, Mário Nicácio Wapichana, que tem realizado ações em favor das populações indígenas daquele município.

crianças 1

A indígena Celestina Caetano, que trabalha com um grupo de crianças, disse que o trabalho com danças, musicalização e esporte é uma maneira também de resgatar a cultura e a identidade indígena, além de manter laços de união e confraternização das famílias indígenas vivendo na cidade. Ela cobrou de autoridades municipais presentes apoio para seus projetos culturais que ela desenvolve por meio de seus próprios esforços.

Uma das integrantes do Grupo da Dança do Parixara, Jaquelina Ana da Silva, afirmou que suas apresentações representam uma forma de manter a tradição. Ela também cobrou reconhecimento e apoio para que esse trabalho continue sendo uma forma de manter os laços de identidade cultural dos que vivem em contexto urbano.

WhatsApp Image 2021 07 23 at 12.32.03 1

A deputada Joenia Wapichana agradeceu a recepção e disse que o momento de acolhimento e de muita alegria proporcionada pelas famílias ali presentes representa uma motivação a mais para que ela continue lutando não apenas pelos direitos dos povos indígenas, como ela tem feito na Câmara, como única parlamentar indígena do Brasil, sofrendo ataques, mas também defender os interesses de não índios.

Disse ainda que seu mandato não pode deixar de reconhecer grupos como estes, que se apresentaram em sua recepção, visando pensar em projetos para a cultura voltados aos jovens e mulheres indígenas, como ela vem fazendo ao destinar emenda para a Secretaria Estadual do Índio (SEI) oferecer cursos profissionalizantes destinados para geração de renda.

Joenia fez uma explanação explicando suas principais atuações no mandato indígena coletivo, especialmente na defesa dos direitos dos povos indígenas e no direcionamento de suas emendas parlamentares para projetos voltados às comunidades indígenas nas áreas de autossustentação, saúde e educação indígena.

A deputada disse que faz uma política diferente, que é construída ouvindo a população e apresentando solução para os problemas apresentados, em vez de apenas prometer. "Fazer política não é impor e empurrar de goela abaixo. A mudança na política é um processo lento, que requer um trabalho de educação e de consciência política", frisou. "Apoiar um parlamentar não é só votar, é aconselhar, sugerir, participar, questionar e apresentar propostas. Isso é participar da política".

Joenia enumerou sua atuação em favor da vacina para todos, inclusive para indígenas que vivem na cidade, para que fossem incluídos nos grupos prioritários; defendeu a manutenção do auxílio emergencial no valor de R$600,00; votou contra a Reforma Administrativa que retira direitos dos servidores públicos; e votou contra o Fundo eleitoral no valor de R$5,7 bilhões, que irão fazer falta na saúde, educação e segurança.

IMG 9745 1

Ao classificar o Fundão como "um absurdo", também citou que se posicionou contra a privatização da Eletrobrás por entender que isso representará um retrocesso em programas direcionados que garantem energia social para comunidades indígenas e pequenos produtores rurais. Disse que a privatização fará o preço da conta de luz aumentar no momento em que as pessoas sequer têm dinheiro para comprar carne.

"Não defendo apenas os direitos dos povos indígenas, mas também direitos sociais, saúde, educação, Trabalho fazendo política para todos. Tenho certeza que outros parlamentares não aparecem para mostrar apoio em favor dos mais pobres. Os políticos deveriam estar defendendo todos, mas eles não vão na casa das pessoas para ouvir. Meu compromisso é não deixar que direitos sejam reduzidos", destacou.