Offcanvas Section

You can publish whatever you want in the Offcanvas Section. It can be any module or particle.

By default, the available module positions are offcanvas-a and offcanvas-b but you can add as many module positions as you want from the Layout Manager.

You can also add the hidden-phone module class suffix to your modules so they do not appear in the Offcanvas Section when the site is loaded on a mobile device.

0044 889 555 432
office@delight.com
64184 Vincent Place

Marizete

Conselheiros regionais e outras lideranças indígenas convidadas participaram de três dias de discussões durante a I Reunião Ampliada Deliberativa de 2021 do Conselho Indígena de Roraima (CIR), que tem a finalidade de tomar decisões sobre os caminhos a serem tomados pelas comunidades indígenas no Estado. Encerrado nesta quarta-feira, 14, o evento foi realizado no Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol, na Comunidade do Barro, na Região Surumu.

A deputada Joenia Wapichana (REDE-RR) foi convida a participar do segundo dia de discussão, na mesa de debate sobre "Produção comunitária e regional: Avanços e desafios da autossustentabilidade". Como ela está empenhada, em Brasília, na luta contra o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 028, que exclui a sede do Município de Pacaraima de dentro da Terra Indígena São Marcos, que está em pauta esta semana na Câmara, a deputada enviou sua representante no Estado, a assessora Marizete Souza.

Joenia gravou um áudio que foi apresentado para as lideranças falando da importância de os indígenas reforçarem junto às comunidades a  autossustentabilidade, pois aqueles que são contra as populações indígenas pregam o discurso de que a demarcação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol não estaria beneficiando os povos indígenas. A deputada disse que a realidade mostra que a homologação tem provocado um grande benefício,  como mais tranquilidade para as comunidades trabalharem as terras indígenas.

Ela criticou quem faz uma campanha contra, pregando  velhos discursos de que "é muita terra pra pouco índio" e que "indígenas são improdutivos". "Nós sabemos que não é assim. É preciso mostrar que a homologação é um direito e que deu certo. Porque as comunidades agora têm condição de fazer sua produção comunitária", complementou.

AGRADECIMENTO - Também no áudio, Joenia Wapichana agradeceu o apoio que ela recebeu durante seu empenho, na Câmara, no mês passado, durante o Levante pela Terra, em que lideranças indígenas foram reprimidas com violência pela polícia do Distrito Federal, quando a própria deputada sofreu ataques de deputados pelo posicionamento contra o Projeto de Lei (PL) 490, que impede demarcações de terras indígenas.

"Não é fácil. Continua sendo um desafio aqui pra nós. Quem tem vindo de Roraima pôde presenciar como é importante essa representação política no âmbito federal. Por essa razão, cada vez mais, pessoas contrárias aos povos indígenas têm menosprezado a representação e também atrapalhado os trabalhos. Mas a gente continua firme pra defender os interesses coletivos dos povos indígenas", afirmou Joenia.

"Por isso quero agradecer toda manifestação de apoio que eu tive no Levante pela Terra. Quero dizer que Joenia representa as comunidades, lideranças indígenas, jovens e mulheres, que mandaram seus vídeos e postaram nas redes sociais. Isso foi muito importante e gratificante para mim. Fazer esse trabalho de defesa coletiva está na linha certa, no caminho certo. O importante é manter meu compromisso de fazer um mandato coletivo e de participação", destacou.

Mandato coletivo foca em educação, saúde e sustentabilidade

Ampliada

Ao representar a deputada Joenia Wapichana na Reunião Ampliada Deliberativa, assessora Marizete Souza explicou às lideranças que o mandato coletivo indígena tem focado sua atuação em três áreas: educação, saúde e sustentabilidade, alinhando suas ações nas principais demandas apresentadas pelas comunidades indígenas.

"Pensando no fortalecimento e na continuidade do trabalho das regiões, ela tem pensado e indicado emendas para as prefeituras, para que elas atendam às demandas regionais comunidades", disse Marizete ao enumerar que emendas parlamentares foram destinadas, no ano passado, para atender às regiões Serra da Lua, Raposa, Baixo Cotingo, Serras, Amajari, São Marcos e Surumu.

Conforme Marizete, seu trabalho é ficar atenta à execução dessas emendas e aos processos em andamento, pois, como a deputada Joenia é a única que defende os povos indígenas, algumas vezes são criados entraves para que as emendas dela não sejam executadas. Por isso, Marizete pediu que os tuxauas e os coordenadores regionais precisam conversar com as prefeituras para que elas possam executar as emendas destinadas ao fortalecimento das comunidades indígenas.

"O papel da deputada tem sido o de fortalecer essas produtividades nas regiões. Hoje regiões da Raposa e Baixo Cotingo vão receber dois Centros de Manejo de gado bovino. Essas regiões têm que aproveitar essa oportunidade para melhorar tudo aquilo que foi pensando para as regiões. Outras regiões pediram equipamento agrícola para tentar melhorar a produção das comunidades", destacou.

Como a Comunidade Wai-Wai não foi contemplada com emendas nas prefeituras, a Fundação Nacional do Índio (Funai) irá inclui-la, junto com outras comunidades, na lista de beneficiadas pela emenda da deputada com aquisição de um trator. Também há emendas para ferramentas e equipamentos agrícolas, casas de farinha, viveiros de mudas de frutíferas, avicultura e produção de artesanatos para mulheres e jovens.

Há emenda também em execução na área de saúde por meio  do Distrito Sanitário indígena do Leste (DSEI-Leste) que está construindo Unidades Básicas de Saúde (UBS). "Tivemos a boa notícia de que a UBS da Comunidade do Campinho já está concluída e a comunidade está se organizando para a inauguração. Nossa equipe já saiu para fiscalizar outras UBS para saber como estão as obras de construção", disse. Essas emendas também são destinadas a poços artesianos e banheiros regionais.

"Aos poucos está tudo se concretizando, assim como está saindo a questão das entregas de projetos de ovinos para algumas comunidades, como Sucuba, Milho e Xumina. É um projeto com poucas unidades, mas que está pensando na sustentabilidade e continuidade do que já se tem", afirmou Marizete enumerando ainda a emenda parlamentar destinada ao Instituto Federal de Roraima (IFRR) para produção de alevinos, reforçando a  linha da sustentabilidade.

"O IFRR doa o alevino para as comunidades que se organizam para criar os peixes. Hoje a Comunidade Tabalascada se organizou com grupos de famílias para receber alevinos, assim como outras estão recebendo esse projeto. Se a comunidade e a regiões têm tanques construídos e precisam desse apoio, nós estamos aqui para reforçar. É só fazer um documento que a gente o encaminha para o IFRR, que também faz orientação e acompanhamento do projeto, além da doação dos alevinos", explicou Marizete.

Na área de educação, emendas de 2020 contemplataram  52 escolas com reforma ou ampliação, além de compra de mobílias, obras estas que são executadas por etapas, que iniciam com a  consulta às comunidades e indicações de emenda. Depois são feitas visitas técnicas nas escolas.  elaboração das propostas, projeto arquitetônico e autorização da Funai.

 

 Projetos de Viveiro, Malocão e Ponto de Internet é visitado no Centro de Formação

projeto

Ao participar da reunião ampliada na Comunidade do Barro, a representante da deputada Joenia Wapichana, a assessora Marizete Souza, aproveitou para visitar a execução de projetos destinados ao Centro de Formação. Um deles é o projeto de Viveiro de Mudas, que está sendo executado por meio de emenda destinada à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Na companhia do coordenador do Centro de Formação, Bleide Ribeiro de Souza, a assessora Marizete esteve no local onde será implantado o viveiro de mudas. O Centro, na Região Surumu, faz parte de um dos três pontos focais, junto com as regiões do Baixo Cotingo e Raposa, os quais devem ser considerados referência em Viveiro de Mudas, a fim de que possam ser multiplicadores do projeto.

Por isso, esses projetos recebem também não apenas mudas e apoio técnico, como poço artesiano para irrigação, alimentado por placa solar, além de estrutura completa para produção de mudas e para que se tornem uma alternativa econômica para as comunidades.

O Centro de Formação também foi contemplado com um Ponto de Internet na emenda de 2020. A instituição continuará sendo atendida com internet na emenda deste ano. Lá foi identificado problema na execução do projeto, o qual será encaminhado uma solução.

Outra emenda da deputada foi direcionada para a Prefeitura de Pacaraima construir  um Malocão no Centro de Formação, com copa e banheiro. O coordenador Bleide Ribeiro disse que ainda está sendo discutido o local exato para a construção da obra. Em outra oportunidade, a deputada Joenia já havia sugerido alteração no projeto para que o prédio tivesse uma estrutura semelhante a de um malocão.

Vítimas de ataque policial no Levante pela Terra  relembram momentos de violência

Alcebias

Durante a Reunião Ampliada realizada na Comunidade do Barro, lideranças indígenas agradeceram a luta da deputada Joenia Wapichanha (REDE-RR) em defesa dos direitos indígenas na Câmara, ao se posicionar contra projetos antiindígenas,  e se solidaram-se aos ataques sofridos por outros deputados que são contra os povos indígenas.

Um momento de emoção que tomou conta dos participantes foi a apresentação das lideranças indígenas de Roraima que participaram da manifestação, na Câmara, contra a aprovação do Projeto de Lei (PL) 490, que impede demarcações de terras indígenas. Ao serem alvo de repressão policial durante o Levante pela Terra, foram atacados com balas de borracha e bombas de gás lacrimogênio.

O indígena que foi atacado pelas costas, com uma bala de borracha, deu seu depoimento, lembrando os momentos de tensão e medo. Alcebíades Constantino, da Comunidade Barro, ficou ferido no braço direito e sofreu uma forte pancada na cabeça ao cair desmaiado, no asfalto, devido aos efeitos de gás lacrimogênio.

Como Alcebíades desmaiou logo nos primeiros ataques, foi seu companheiro da mesma comunidade, Amarildo da Silva Mota, quem relatou os momentos tensos que eles passaram na tentativa de socorrer os  feridos em meio aos ataques dos policiais, entre eles mulheres. Ele também foi alvo de tiros de bala de borracha, mas que atingiram sua bolsa que ele carregava pendurada ao corpo.

Ao relembrar o momento, Amarildo não conteve a emoção. "Não vamos arredar um passo. Se arredar um, é pra se preparar pra dar um salto mais longe", disse ao conclamar as demais lideranças na luta pela defesa de seus direitos.

Alcebíades também fez uma fala emocionada, chamando a atenção dos jovens e destacando que todos devem aprender com a luta das lideranças mais antigas que estão na defesa dos direitos indígenas desde a década de 1970. Lembrou que foi graças a eles que hoje conquistaram os seus direitos e que hoje servem de inspiração aos mais jovens.

"Se estou aqui, é graças a vocês", disse Alcebíades ao agradecer em nome de Clóvis Ambrósio, uma das lideranças mais antigas no movimento presente ao evento, ao lembrar de outros mais velhos que também estavam na luta pela demarcação das terras desde o começo.

APLAUSOS - Os coordenadores também pediram que todos aplaudissem a deputada Joenia Wapichana, autora do Projeto de Lei de Lei 3514/2019, que regulamenta a profissão de Agente Indígena de Saúde (AIS) e Agente Indígena e Saneamento (AISAN), aprovado na Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara.

Esses profissionais vêm enfrentando o desafio de terem suas categorias profissionais reconhecidas dentro do sistema de saúde indígena, que é específico e diferenciado. Eles atuam desde a década de 1980, mas só começaram a ser contratados a partir de 2010 pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).